6 medidas para evitar os ciberataques no agronegócio - Protiviti
6 medidas para evitar os ciberataques no agronegócio
Compartilhe:
Assine nossa newsletter

Fique por dentro das melhores notícias, eventos e lançamentos do mercado




    6 medidas para evitar os ciberataques no agronegócio

    Publicado em: 29 de novembro de 2022

    Diante de uma onda de digitalização de processos, evitar ciberataques no agronegócio passou a ser ainda mais urgente.

    por Helder Assis*

    Numa crescente evolução, o agronegócio se tornou uma das principais atividades econômicas do Brasil, alcançando 27,4% do Produto Interno Bruno (PIB), segundo o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea – Esalq/USP), em parceria coma Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA).

    Dada sua relevância para a economia nacional e internacional, o setor tem investido cada vez mais em tecnologias e mecanismos para a automatização de processos, o que possibilita melhorias na cadeia produtiva e, consequentemente, mais produtividade.

    Porém, nos últimos anos, em função dessa nova onda de digitalização, vimos o aumento dos casos de incidentes de segurança da informação, tornando o setor um novo alvo para potenciais investidas de cibercrimosos. Na rotina do agronegócio, um dos principais riscos é o de indisponibilidade dos sistemas, uma vez que as práticas de produção são bastante suportadas por tecnologias e processos mecanizados. Desta forma, é fundamental que os produtores estejam atentos e protegidos contra vulnerabilidades de segurança que possam impactar sua operação.

    Isso significa que não são apenas os grandes players que estão sofrendom com ciberataques no agronegócio. Os pequenos também. Toda a cadeia está se digitalizando e os cuidados devem ser tomados da pequena à grande operação, pois o ataque pode ocorrer de forma direcionada ou por meio de iscas, que alcança diferentes empresas.

    Em junho de 2021, a maior empresa de processamento de carne do mundo, a brasileira JBS, foi alvo de um ataque cibernético sofisticado. Por meio de um ransonware, modalidade em que um vírus sequestra o computador da vítima e os criminosos cobram um valor em dinheiro pelo resgate, a JBS teve algumas de suas operações, como na Austrália, Canadá e Estados Unidos, fechadas temporariamente, afetando toda sua rotina.

    Meses depois, o FBI divulgou um alerta comunicando que grupos de cibercriminosos estariam atacando empresas do setor e gerando diferentes prejuízos, seja no impacto à disponibilidade de sistemas, com solicitações de resgates após os ataques, ou mesmo com os custos de contenção, remediação e investigação dos incidentes. Os alertas do FBI chamaram a atenção ao mencionar que pequenas fazendas e produtores locais também foram alvo dos cibercriminosos.

    6 dicas para evitar ciberataques no agronegócio

    De olho nesse cenário e considerando que muitos ataques não são divulgados por se tratar de empresas de menor porte, seguem seis recomendações que valem para operações de qualquer porte minimizarem os impactos de um potencial ataque:

    1. Instalar e manter atualizados softwares de antivírus ou antimalware e EDR (Endpoint Detection Response), que é utilizado para o bloqueio de ransomwares e a criptografia de arquivos nos servidores, desktops e notebooks.
    2. Realizar um ciclo permanente de gestão de vulnerabilidades do ambiente tecnológico para identificar as vulnerabilidades, priorizá-las e corrigi-las.
    3. Implementar o monitoramento dos eventos de segurança por meio de um SOC (Security Operation Center), que dará todo o suporte em caso de eventual incidente.
    4. Implementar uma política de backup que permita a restauração das informações caso necessário.
    5. Criar um processo de verificação e sanitização das contas com acesso aos ambientes, especialmente as que tenham acessos administrativos ou privilegiados.
    6. Implementar uma política de senha forte para os usuários.

    Sabemos que não existe um ambiente 100% seguro, pois novos tipos de ataque surgem diariamente. Entretanto, essas medidas podem proporcionar um padrão inicial de segurança no setor e, com um contínuo monitoramento, reduzir as vulnerabilidades.

    *Helder Assis é gerente de cibersegurança e de privacidade de dados na Protiviti, empresa especializada em soluções para gestão de riscos, compliance, auditoria interna, investigação, proteção e privacidade de dados.

    Fonte: Agronegócio entra na mira dos cibercriminosos e estas dicas aumentam a proteção – Canaltech

    Compartilhe:

    Publicações relacionadas

    Além das senhas: como a autenticação reforça a postura de Segurança Cibernética

    24 de maio de 2024

    É indispensável reconhecer e mitigar os riscos associados à autenticação fraca na proteção das informações e ativos das organizações.

    Leia mais

    SOC: quem são os profissionais super-heróis invisíveis do mundo cibernético?

    2 de fevereiro de 2024

    O cenário de segurança cibernética está em constante evolução e as organizações precisam estar preparadas para enfrentar ameaças cada vez mais sofisticadas. Nesse contexto, o SOC (Security Operations Center) tem desempenhado um papel vital na defesa contra essas ameaças. Nesse contexto, o SOC agora utiliza de ferramentas avançadas de detecção de ameaças emergentes, como ataques […]

    Leia mais

    Gerenciamento de Projetos: o papel do PMO (Project Management Office)

    26 de janeiro de 2024

    Um PMO bem estruturado apoiando o trabalho dos GPs permite projetos mais bem planejados e conduzidos. Saiba mais.

    Leia mais

    Cibersegurança: medidas para empresas e órgãos reguladores atuarem em casos críticos 

    15 de janeiro de 2024

    Ataques cibernéticos, como o ransomware, não são problemas técnicos, mas uma preocupação para os reguladores de cibersegurança do mundo. 

    Leia mais