Gerenciamento de Projetos: o papel do PMO
Gerenciamento de Projetos: o papel do PMO (Project Management Office)
Compartilhe:
Assine nossa newsletter

Fique por dentro das melhores notícias, eventos e lançamentos do mercado




    Gerenciamento de Projetos: o papel do PMO (Project Management Office)

    Publicado em: 26 de janeiro de 2024

    Um PMO bem estruturado apoiando o trabalho dos GPs permite projetos mais bem planejados e conduzidos. Saiba mais.

    Gerenciar projetos não é trivial e as centenas de páginas do PMBoK (Project Management Body of Knowledge) são um atestado disso. Um Gerente de Projetos (PMO) é um malabarista dos bons: além de controlar os “malabares” de Escopo, Custo, Tempo e Qualidade, também tem que controlar a rotação dos pratos onde estão as expectativas dos stakeholders, o gerenciamento dos anseios e conflitos da equipe do projeto, a comunicação adequada, o controle dos riscos do projeto, influências externas e internas, etc.

    Um antigo colega de trabalho me disse diversas vezes: “A responsabilidade é sempre do GP”. Será que o GP é o único responsável pelo projeto? A verdade é que um GP não é (e não pode ser) um “lobo solitário”. É fundamental que esse profissional tenha uma retaguarda para auxiliá-lo nos diversos aspectos da condução de um projeto. Seja fornecendo modelos ou templates, apoiando nas análises de riscos dos projetos, disponibilizando estudos de caso ou lições aprendidas em projetos semelhantes, cobrando ou lembrando o GP da necessidade de executar determinadas atividades na condução do projeto. Essa retaguarda é o PMO – Project Management Office.

    O PMO não deve ser visto como um xerife fiscalizando a condução adequada dos projetos e nem como um mero distribuidor de modelos. Muito mais do que isso, o PMO é o parceiro, o ponto de apoio dos GPs na condução dos projetos. O PMO é o “conselho Jedi” dos GPs, o local onde os GPs encontram orientação e apoio, onde dúvidas sobre questões da gestão dos projetos podem ser debatidas e soluções podem ser elaboradas.

    Um PMO bem estruturado apoiando o trabalho dos GPs permite projetos mais bem planejados e conduzidos. Qualquer organização que execute projetos, sejam eles internos ou como serviços para outras organizações, deve considerar a criação de um PMO. Com o apoio do PMO os gerentes de projetos não estão sozinhos e, dessa forma, as chances de sucesso dos projetos melhoram substancialmente.

    *Armando Ribeiro é consultor de cibersegurança da Protiviti, empresa especializada em soluções para gestão de riscos, compliance, ESG, auditoria interna, investigação, proteção e privacidade de dados.

    Compartilhe:

    Publicações relacionadas

    Cibersegurança: medidas para empresas e órgãos reguladores atuarem em casos críticos 

    15 de janeiro de 2024

    Ataques cibernéticos, como o ransomware, não são problemas técnicos, mas uma preocupação para os reguladores de cibersegurança do mundo. 

    Leia mais

    O papel da segurança cibernética no processo de inovação das empresas

    13 de dezembro de 2023

    Com a rápida transformação da TI, organizações enfrentam pressões contínuas para inovar. Nesse contexto, a segurança cibernética ganha força.

    Leia mais

    8 passos para construir uma cultura de Segurança da Informação com gamificação

    8 de dezembro de 2023

    Sem dúvida, a Tecnologia da Informação (TI) tem um papel fundamental nos processos de Segurança da Informação, pois viabiliza controles que garantem a proteção ou, no mínimo, mitigam os riscos. Porém, acreditar que essa área é responsabilidade exclusiva da TI talvez seja a maior fragilidade das empresas. Sem uma participação efetiva de todos os colaboradores, […]

    Leia mais

    Cibersegurança na cadeia de suprimentos: como assegurar o controle digital sobre serviços terceirizados?

    1 de dezembro de 2023

    A cibersegurança na cadeia de suprimentos ganha cada vez mais importância ao garantir controle digital entre todos os serviços terceirizados.

    Leia mais