7 dicas para evitar que ter o cartão de crédito clonado - Protiviti
7 dicas para evitar que ter o cartão de crédito clonado
Compartilhe:
Assine nossa newsletter

Fique por dentro das melhores notícias, eventos e lançamentos do mercado




    7 dicas para evitar que ter o cartão de crédito clonado

    Publicado em: 26 de agosto de 2022

    Um cartão de crédito clonado não é um crime trivial, e envolve organizações com grande abrangência nacional e técnicas avançadas

    A Operação Singular 2, deflagrada pela Polícia Federal (PF) na semana passada, tem entre seus principais alvos fraudadores focados em crimes financeiros, como roubo de dados e clonagem de cartão de crédito. Além de danos morais e financeiros às vítimas, estima-se que esse tipo de fraude – o cartão de crédito clonado – seja responsável por um prejuízo anual de R$ 125 milhões ao comércio e às instituições bancárias.

    A clonagem de cartões de crédito não é um crime trivial, e envolve organizações com grande abrangência nacional e técnicas avançadas para o roubo de dados. Por conta disso, é necessário ter bastante atenção para manter os dados bancários seguros e evitar ter um cartão, seja ele físico ou virtual, clonado. Abaixo estão algumas recomendações do consultor de Inteligência de Ameaças da Protiviti, Juan Riquelme Marin Santos.

    Sete dicas para evitar ter o cartão de crédito clonado


    Use cartões virtuais: hoje, a maior parte dos bancos e operadoras de cartão de crédito permite que seus clientes gerem cartões virtuais temporários e permanentes para compras online. Este recurso garante maior segurança nas negociações, mesmo em sites grandes e conhecidos. O cartão virtual temporário pode ser sempre a melhor opção, já que esta função permite que o cartão se extinga pouco depois da realização da compra.

    Evite utilizar cartões em pequenos estabelecimentos: algumas quadrilhas usam sistemas para roubar dados de cartões em máquinas de pagamento. Segundo o especialista, pequenos estabelecimentos e vendedores ambulantes são os mais propícios a carregar este tipo de sistema em suas maquininhas. Nestes locais, uma opção é pagar com o Pix.

    Cubra o teclado para digitar a senha: essa dica não é nova, mas não deixa de ser bastante útil. É possível que quadrilhas instalem câmeras de forma estratégica em estabelecimentos, incluindo bancos e caixas 24 horas, para capturar a digitação de senhas. Portanto, é importante dificultar a visualização de suas senhas, incluindo em caixas eletrônicos para evitar ter o cartão de crédito clonado.

    Não entregue o cartão para terceiros: é comum que o lojista peça o cartão em casos em que a transação não é aprovada de primeira. Essa prática pode permitir que os dados do cartão sejam capturados por uma câmera, permitindo o roubo de dados. Também é possível que a transação seja levada para uma máquina mais distante da visão do cliente, o que também pode permitir o roubo de dados bancários.

    Não acredite em ligações do banco alegando fraudes: desde meados da semana passada, o banco Itaú tem veiculado uma propaganda alertando sobre o golpe do portador. Caso alguém entre em contato com você alegando ser funcionário do banco, não faça nada do que for pedido e, em hipótese alguma, entregue seu cartão para alguém que se apresente como portador do banco, mesmo que o cartão esteja picotado.

    Saiba em quais momentos sua senha poderá ser exigida: sua senha só será exigida em caixas eletrônicos, em compras físicas, na maquininha de cartão, e para confirmar transações bancárias pelo aplicativo do seu banco, como uma transferência pelo Pix. Qualquer caso diferente disso, deve ser encarado com atenção, porque pode ser golpe.

    Fique de olho na fatura: os bancos permitem que seus clientes acompanhem suas transações em tempo real. Essa dica não é sobre evitar uma clonagem, mas como descobrir de maneira mais rápida caso uma fraude seja realizada. Caso verifique qualquer compra estranha ou que não se lembre, entre em contato com o banco imediatamente e informe que não reconhece determinada compra, informando data, valor e local em que ela foi realizada

    * Juan Riquelme Marin Santos, consultor de Inteligência de Ameaças da Protiviti

    Fonte: Canal Tech

    Compartilhe:

    Publicações relacionadas

    Gerenciamento de Projetos: o papel do PMO (Project Management Office)

    26 de janeiro de 2024

    Um PMO bem estruturado apoiando o trabalho dos GPs permite projetos mais bem planejados e conduzidos. Saiba mais.

    Leia mais

    Cibersegurança: medidas para empresas e órgãos reguladores atuarem em casos críticos 

    15 de janeiro de 2024

    Ataques cibernéticos, como o ransomware, não são problemas técnicos, mas uma preocupação para os reguladores de cibersegurança do mundo. 

    Leia mais

    O papel da segurança cibernética no processo de inovação das empresas

    13 de dezembro de 2023

    Com a rápida transformação da TI, organizações enfrentam pressões contínuas para inovar. Nesse contexto, a segurança cibernética ganha força.

    Leia mais

    8 passos para construir uma cultura de Segurança da Informação com gamificação

    8 de dezembro de 2023

    Sem dúvida, a Tecnologia da Informação (TI) tem um papel fundamental nos processos de Segurança da Informação, pois viabiliza controles que garantem a proteção ou, no mínimo, mitigam os riscos. Porém, acreditar que essa área é responsabilidade exclusiva da TI talvez seja a maior fragilidade das empresas. Sem uma participação efetiva de todos os colaboradores, […]

    Leia mais