Discriminação nas escolas: a responsabilidade das instituições
Discriminação nas escolas: a responsabilidade das instituições com a educação e os riscos reputacionais
Compartilhe:
Assine nossa newsletter

Fique por dentro das melhores notícias, eventos e lançamentos do mercado




    Discriminação nas escolas: a responsabilidade das instituições com a educação e os riscos reputacionais

    Publicado em: 13 de dezembro de 2022

    Em apenas uma semana, foram noticiados casos de discriminação nas escolas em três estados do Brasil. Como lidar com essas questões?

    Em apenas uma semana, foram noticiados casos de discriminação nas escolas em três estados do Brasil

    por Fernando Fleider*

    Em apenas uma semana, foram noticiados o envolvimento de alunos de colégios de três estados do Brasil com graves casos de racismo e discriminação. Alavancados pelo momento político do País, pelo poder das mídias sociais e pela divulgação na grande imprensa, os incidentes e suas consequências se tornaram o trend topic do momento.

    As escolas têm sido cobradas em relação aos desfechos destes casos para garantir que não haja reincidência, mas pouco tem se falado sobre a prevenção e as ferramentas que podem ser utilizadas para lidar com o assunto.

    Alguns colégios têm saído na dianteira do assunto, promovendo um ambiente que tente eliminar esses desvios comportamentais ou, ao menos, reconhecê-los de forma precoce. Numa pesquisa realizada pela Aliant, plataforma de soluções digitais para governança, riscos e compliance, o setor de educação que já utiliza o serviço de canal de denúncia saltou de 550 registros em 2020 para 3.764 denúncias em 2021, um aumento de 584% em um ano.

    Considerando que, em 2020, as escolas permaneciam com o sistema remoto de aulas, e, em 2021, a maioria retornou ao modelo presencial, em especial no segundo semestre, vemos que nesse período o volume de denúncias chegou a 2.214 registros.

    Os números comprovam a necessidade dessas instituições em adotarem tanto os serviços especializados de consultoria, como as ferramentas digitais para o combate de comportamentos que não são mais admitidos na sociedade e têm gerado resultados comprovados em organizações que utilizam esses recursos para reduzir incidentes.

    Já há instituições saindo à frente na adoção desses serviços, como tradicionais escolas no eixo Rio-São Paulo, que recebem em seus canais de denúncia relatos ou suspeitas de discriminação, bullying e até mesmo para a chamada “doutrinação”, termo utilizado para casos em que há o entendimento de que o professor extrapola a sua responsabilidade educacional para a persuasão sobre determinada linha, seja política, religiosa ou de modos.

    Indo além dos canais de denúncia, também vemos a adesão a serviços de monitoramento de mídias sociais em relação a esses comportamentos e que envolvam o nome da escola, de seus alunos e do corpo docente, assim como a promoção de constantemente treinamentos temáticos também se tornou realidade nessas instituições.

    É preciso chamar a atenção para esse cenário e ressaltar que a educação continua sendo o melhor caminho para o fim das discriminações em qualquer lugar, por isso a escola tem papel crucial nesta questão. Mas, enquanto não se pode garantir que 100% dos alunos internalizaram os conceitos de diversidade, cabe às instituições monitorarem de forma contínua para que sejam evitadas as exceções que acabam trazendo prejuízos reputacionais à instituição e à sua coletividade.

    Outro aspecto imprescindível para que, de um lado não sejam cometidas injustiças e, por outro, sejam recolhidas as evidências necessárias para uma ação neste sentido, é a investigação independente dos fatos, que passa pela coleta forense das mídias sociais, dos chats e pela entrevista profissional dos envolvidos.

    Quando o grande responsável pela formação de uma sociedade mais justa acaba sendo o cenário de fatos lastimáveis como o ocorrido, a sociedade não deve economizar recursos para a normalização pretendida.

    *Fernando Fleider é CEO da ICTS, empresa especializada em soluções para gestão de riscos, compliance, ESG, cibersegurança e privacidade de dados.

    Fonte: Discriminação nas escolas: a responsabilidade das instituições com a educação e os riscos reputacionais – Rota Jurídica

    Compartilhe:

    Publicações relacionadas

    Primeira edição do Risk Day reúne líderes executivos em São Paulo

    6 de maio de 2024

    Em parceria com a OneTrust, a KnowBe4 e a Aliant, a Protiviti Brasil promoveu no último dia 30 o Risk Day: Executive Meetup On Top Risk

    Leia mais

    Leaders League 2024: Protiviti Brasil é reconhecida em 4 categorias do Dispute Resolution

    10 de abril de 2024

    A empresa foi apontada como Líder em Compliance, Excelente em Forensics e Altamente Recomendada em Gestão de Riscos e Auditoria

    Leia mais

    Os riscos dos avanços da Inteligência Artificial

    29 de janeiro de 2024

    Mapear os riscos da inteligência artificial é indispensável para a sociedade

    Leia mais

    Como a gestão de riscos pode ajudar as Sociedades Anônimas de Futebol (SAF)?

    1 de novembro de 2023

    Uma Sociedade Anônima do Futebol (SAF) que deseje se manter estável precisa instituir processos de checagem de antecedentes e auditoria interna.

    Leia mais